You Are Viewing

Nº8

JN História

As várias faces da Diamang: um século após a fundação da Diamang – Companhia de Diamantes de Angola, a JN História publica um amplo dossiê onde mostra o lado mais negro do colonialismo.
Construção do império português em África: desde as expedições de africanistas, passando pela Conferência de Berlim, pelo famoso mapa-cor-de-rosa, pelo “ultimatum inglês” e por muitos outros avanços e recuos, a construção da África portuguesa nada teve de simples nem de direito adquirido.
Entrevista: Maria Helena da Cruz Coelho, notável medievalista, e discípula de Oliveira Marques, fala não apenas do seu percurso, construído sobre uma série de felizes acasos, mas também do estado da historiografia, do país e do mundo.
E ainda: um olhar sobre a purga levada a cabo por Adolf Hitler em 1934, essencialmente no seio do próprio Partido Nacional-Socialista.

Página 8 Página 9 Página 10 Página 11

AS VÁRIAS FACES DA DIAMANG

Um século após a fundação da Diamang – Companhia de Diamantes de Angola, publicamos um amplo dossiê, com imagens absolutamente inéditas, dessa entidade que, controlando um território maior do que metade de Portugal continental, chegou a ser considerado “um estado dentro do Estado” ou, ainda, “a nona colónia”. Mostramos não só os aspetos mais luminosos da Companhia, usada como estandarte do colonialismo português, mas também a face oculta dos trabalhos forçados ou da segregação.

Adquira a revista disponível em:
  • bt_assinaturaRevista
  • bt_assinaturaDigital
Página 36 Página 37 Página 38 Página 39

A ATRIBULADA CONSTRUÇÃO DO IMPÉRIO

Presente em África desde o tempo dos navegadores quatrocentistas, Portugal só teve as grandes possessões coloniais que duraram até ao pós-25 de Abril no final do século XIX. Desde as expedições de africanistas como Hermenegildo Capelo ou Roberto Ivens, passando pela Conferência de Berlim, pelo famoso mapa-cor-de-rosa, pelo “ultimatum inglês” e por muitos outros avanços e recuos, a construção da África portuguesa nada teve de simples nem de direito adquirido. A JN História explica como e porquê.

Adquira a revista disponível em:
  • bt_assinaturaRevista
  • bt_assinaturaDigital
Página 60 Página 61 Página 62 Página 63

ENTREVISTA – MARIA HELENA DA CRUZ COELHO

Hoje professora catedrática jubilada, a historiadora Maria Helena da Cruz Coelho foi a primeira mulher a dar aulas no departamento de História da Universidade de Coimbra. Embora pouco conhecida do grande público, esta notável medievalista, discípula de A. H. de Oliveira Marques, é uma referência incontornável, com interesses multifacetados. Numa entrevista de fundo, fala não apenas do seu percurso, construído sobre uma série de felizes acasos, mas também do estado da historiografia, do país e do mundo.

Adquira a revista disponível em:
  • bt_assinaturaRevista
  • bt_assinaturaDigital
Página 52 Página 53 Página 54 Página 55

ENSAIO – OS FESTIVAIS E A POLÍTICA

A recente e quase unanimemente aclamada vitória de Salvador Sobral, na Ucrânia, recuperou para a ordem do dia os festivais da canção. Nesta edição da JN História, refletimos sobre o modo como, desde o arranque, em 1964, até 1976, ano de aprovação da Constituição, o festival português foi marcado pelas oscilações da vida política. Uma história de cantigas pode, também, ser feita tanto de resistência como de propaganda.

Adquira a revista disponível em:
  • bt_assinaturaRevista
  • bt_assinaturaDigital
Página 82 Página 83 Página 84 Página 85

HISTÓRIAS SOLTAS – A NOITE DAS FACAS LONGAS

Um olhar sobre a purga levada a cabo por Adolf Hitler em 1934, essencialmente no seio do próprio Partido Nacional-Socialista, mas, também, afastando (pela morte ou pelo encarceramento) todos os potenciais opositores à sua ascensão rumo ao poder absoluto e discricionário. Os contornos desta ação sangrenta, também conhecida por “Röhm-Putsch” ou por “Operação colibri”, constituíram uma pequena amostra do que viria a ser a Alemanha nazi.

Adquira a revista disponível em:
  • bt_assinaturaRevista
  • bt_assinaturaDigital